terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Tecnologia e Psicologia - Apoio Psicológico Online

O crescimento tecnológico possibilitou muitas alterações na nossa vida diária mas também no contexto de muitas profissões, abrindo possibilidades nunca antes tidas também na área da Psicologia. Só na última década o número de utilizadores de internet já cresceu para 3 biliões (Pontes, Szabo, & Griffiths, 2015).

A  promoção de uma boa saúde mental utilizando meios como websites, blogs, redes sociais trouxe novos meios de impacto e dádiva de informação à população. No entanto uma das áreas que mais foi desenvolvida foi a área das telecomunicações, possibilitando meios de ajuda à população estando à distancia. O Acompanhamento Psicológico não foi excepção, sendo que logo após o surgimento da internet, tornou-se visível o seu potencial terapêutico. Em 1972, simulou-se uma das primeiras sessões de psicoterapia na internet, realizada no âmbito da International Conference on Computer Communication e na ultima década o acompanhamento psicológico online tem vindo a ser utilizado frequentemente como aliado à consulta presencial.

Os dois principais meios de acompanhamento psicológico online podem ser assíncronos (sendo o principal exemplo o e-mail) ou síncronos (tendo o exemplo da videoconferência). Na minha visão profissional, neste tipo de acompanhamento considero essencial a utilização da videoconferência, utilizando plataformas como o Skype para esse fim, utilizando o e-mail como auxiliar.

O que é facto é que a videoconferência é considerada o meio ideal de relação entre terapeuta e cliente no modelo de acompanhamento online, já que este possibilita uma maior recolha de informação visual e consequente recolha não verbal, enriquecendo a relação terapêutica. Modelos de comunicação como o Telefone, o chat online e o E-mail tornam-se assim boas ferramentas auxiliares em caso de urgência ou recolha de alguma informação necessária, porém não são substitutos da videoconferência no Acompanhamento psicológico. Os grupos de apoio online foram também um dos modos sistematizados neste tipo de apoio online, demonstrando um grande potencial de ajuda.


Mas é este tipo de intervenção eficaz?


Vários estudos têm vindo a ser realizados nesta área, os quais demonstram que realmente este é um tipo de intervenção bastante positivo, sendo um agente de mudança efectivo na vida do sujeito. Deste modo esta torna-se uma abordagem clínica mais eficaz que o não tratamento e segundo alguns autores como Emmelkamp (2005) e Eaton (2005) tão eficaz como a abordagem presencial, algo que ainda requer maior investigação cientifica. Suler (1996) referiu que a modalidade online estimula a projeção e relação terapêutica, o que cria uma maior eficácia e rapidez de intervenção havendo também uma expressão mais directa das preocupações do cliente nesta modalidade. Além disso foram apresentados bons resultados em intervençõesonline no âmbito de transtornos de ansiedade, depressão, abuso de substancias, transtornos alimentares, assim como em intervenções relacionadas com problemas de saúde de dor cronica, dor de cabeça, obesidade, diabetes e doença cerebral.

O maior envolvimento online do terapeuta com o cliente nas suas intervenções (particularmente em casos de depressão e ansiedade) provou ser significativamente mais robusto em comparação com os modelos de auto-ajuda online que requerem menos tempo dedicado do terapeuta. 

No entanto cada caso é um caso e para casos mais severos de pessoas com ideação e tentativa suicida constantes, ou severos transtornos psiquiátricos este tipo de intervenção não é aconselhada segundo Alleman (2002).

Numa análise realizada a 400 clientes que utilizaram os serviços de acompanhamento psicológico online 90% transmitiu ter obtido benefícios dos mesmos (www.metatonia.org). 


Vantagens deste tipo de Serviço


- A distancia para o acompanhamento psicológico deixa de ser um problema, existindo a possibilidade de chegar com este tipo de apoio às zonas mais isoladas ou longínquas, possibilitando que pessoas que nunca teriam tratamento possam obtê-lo desta forma (seja porque se encontram em sítios isolados, porque não têm transporte, são idosos, têm incapacidades físicas ou até porque não têm horários de trabalho que lhes permitam realizar de outro modo o tratamento). Além disso, este tipo de terapia pode também ajudar em casos de terapia familiar ou de casal, nos quais os membros familiares se encontram geograficamente separados (seja por trabalho, por estarem institucionalizados, etc.).

-  Pessoas com doenças mentais crónicas ou físicas requerem uma rotina de cuidados que o serviço de apoio psicológico online pode providenciar. Além disso, também pessoas que sofram de depressão, ansiedade ou outro transtorno, tendo uma crise poderão facilmente utilizar dos recursos assíncronos disponíveis (como o email), realizando rapidamente um apelo de ajuda que pode ser respondido mais facilmente e também servir como catarse do sofrimento que está a sentir naquele momento (Alleman, 2002). 

- Pessoas têm menos custos de viagem utilizando este tipo de serviço, já que não precisam deslocar-se de casa. Tal é inicialmente uma muito boa opção para intervenção em pessoas com agorafobia.

- Por estar na sua própria casa, a pessoa poderá sentir-se mais segura a partilhar aquilo que a transtorna, podendo este factor contribuir para que o tratamento seja mais favorável e rápido como em cima foi referido. No entanto, este é sempre um factor que depende de caso para caso. 


Limitações da Intervenção por Videoconferência


- Apresentam-se algumas limitações ao nível da Avaliação psicológica, apresentando-se limites ao nível da observação da linguagem não verbal, não existindo a possibilidade de retirar tanta informação como no modelo presencial. Além disso, existem certos instrumentos de Avaliação que não se tornam possíveis de utilizar neste modelo de consulta, sendo sempre necessário algumas consultas presenciais para colmatar esta falta. 

- Alguns clientes não terão o equipamento necessário para este tipo de acompanhamento, sendo necessário um computador com mínima capacidade, uma webcam, algum conhecimento tecnológico, assim como Internet que tenha uma conexão que permita realizar sem problemas videoconferência.

- Para casos mais severos a nível mental, cognitivo ou físico, que comprometam a capacidade de raciocínio lógico, compreensão, entre outros, não se torna possível este tipo de intervenção com eficácia.


O meu serviço de Apoio Psicológico Online


Caso pretenda usufruir de Apoio Psicológico Online tem todas as informações necessárias no meu website. Encontram-se disponíveis o Serviço de Apoio Psicológico Presencial (em Lisboa) e Online (através do Skype), sendo o e-mail uma ferramenta auxiliar. 

Este serviço garante todo o sigilo profissional e confidencialidade, assim como acontece nas consultas presenciais.

Para marcar contacte:
E-mail: mariajoaoandrade.psi@gmail.com
Tel: 92 593 18 35


Referências Bibliográficas

Emmelkamp, PMG (2005). Technological innovations in clinical assessment and psychotherapy. Psychotherapy And Psychosomatics, 74 (6):336-343.
Eaton, W. (2005). Internet-Based Mental Health Interventions. Mental Health Services Research, Vol. 7 Issue 2, p75.
Lovejoy, T., Demireva, P., Grayson, J., & McNamara, J. (2009). Advancing the practice of online Psychotherapy: An application of Rogers' Diffusion of Innovations Theory. Psychotherapy Theory, Research, Practise, Training , Vol. 46, No. 1, 112-124
Pontes, H., Szabo, A., & Griffiths, M. (2015). The impact of Internet-based specific activities on the perceptions of internet addiction, quality of life, and excessive usage: a cross-sectional study. Addictive Behaviors Reports, 19-25.
Shaw, H. & Shaw, S. (2006). Critical Ethical Issues in Online Counseling: Assessing current practices with an ethical intent checklist. Journal of Counseling & Development, Volume 84.
Suler, J. (1996, May). Transference among people online. The Psychology of Cyberspace. Disponível www.rider.edu/users/suler/psycyber/psycyberl
http://www.psicologia.pt/artigos/ver_opiniao.php?codigo=AOP0097



Sem comentários:

Enviar um comentário